31/03/2011

A Economia da Europa

Uma aula interessante de análise a Keynes e Milton Friedman e o paradoxo presente na Europa.

30/03/2011

Apenas a língua portuguesa permite isto

A letra "P" - Apenas a língua portuguesa nos permite escrever isso:

Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais... Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos.. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir.

Posteriormente, partiu para Pirapora... Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas.
Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris.

Partindo para Paris, passou pelos Pirenéus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas.

Pisando Paris, pediu permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se.

Profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo... Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. - Paris! Paris! Proferiu Pedro Paulo.

Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para papai Procópio para prosseguir praticando pinturas.

Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: Pediste permissão para praticar pintura, porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? Papai - proferiu Pedro Paulo - pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal.

Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando.

Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito.

Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente Pedro Paulo pegava pedras, porém, Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo pereceu pintando...

Permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar.... Para parar preciso pensar.

Pensei. Portanto, pronto pararei.

E tu ainda achas o máximo quando consegues dizer:
"O Rato Roeu a Rica Roupa do Rei de Roma"

29/03/2011

Beco da Bicha

"Um grupo de amigos de Carlos Castro, em que se inclui La Féria, propõe ao presidente da Câmara de Lisboa que o nome do cronista seja incluído na toponímia da cidade" in «Correio da Manhã».

Não vamos ficar pelo óbvio que seria dizer apenas e só: quem foi Carlos Castro para dar o nome a rua, esquina, rotunda ou beco? Tem falecido muita gente de grande valor nos últimos tempos. Por exemplo, a recente perda do jornalista Carlos Pinto Coelho, um grande, enorme comunicador e ícone da cultura e sua transmissão em Portugal.

Mas pelos visto é outro Carlos quem está na calha para ser eternizado dando o seu nome a uma rua. Sugere-se antes uma ladeira ou rampa. Não era ele que servia de rampa de lançamento para tudo o que é paraquedista social?

Estou a ver daqui a uns anos o avô com o netinho pelo braço, a passearem e a desfrutar do Sol da capital quando o petiz se sai com esta: "Ó avô, quem foi o Carlos Castro?" "Quem? Diz o velhote visivelmente atrapalhado..." "Ali avô - apontando - a placa diz rua Carlos Castro." "Ah sim meu filho... Olha esse senhor lançava muita gente no mundo cor-de-rosa com as suas crónicas de grande veia poética e conhecimentos no mundo do jet-set. Sabes o que é o jet-set filho? "Não avô, o que é isso?"

"Olha rapaz, em Portugal o jet-set são aqueles tesos que não têm dinheiro para comprar um pacote de "Sugus" mas que parecem varejeiras em volta das festas do social. Desde que haja imprensa especializada em revistas de leitura de WC eles estão lá. Tarólogas, bruxos, manequins tenrinhos, desconhecidos ou conhecidos porque apareceram dois minutos na televisão a dizer bacoradas, e depois um grupo de gente que o teu avô não sabe bem o que faz ou como ganha a vida, mas que tem sempre um diminutivo no nome: Vivis, Kaquis, Mimis, Kócos, Pipis, Xonés e assim."

"Não estou a entender avô... Olha filho, nem eu, mas é assim querido".

"Então e o que aconteceu ao senhor?"

"Bem, o senhor foi viajar e a coisa correu mal. Lembras-te quando o avô te diz que é perigoso para os miúdos pequenos abrirem garrafas de vinho sozinhos? Mas deixa lá, isso a avó depois explica-te melhor..."

Se querem eternizar a vida de Carlos Castro sugere-se um show travesti. Algo que ele adorava, faz mais sentido. Até damos umas dicas ao encenador La Féria: "As bichas de Nova Iorque" se for musical ou "E tudo o vento do túnel de Metro levou" se for drama.

Agora, deixem-se é de ideias bacocas. Chamaram de tudo à população de Cantanhede por fazerem a missa e a vigília de solidariedade e agora querem dar o nome de uma rua da capital ao Carlos Castro? Antes dele estariam milhares de pessoas. Milhares.

Nota da Redação: a rua lisboeta já existe e com aplauso geral - o Beco da Bicha (aqui)

28/03/2011

Pinhal de Leiria

AULA DE HISTÓRIA DE PORTUGAL

Pergunta a Professora:
- Joãozinho, sabe a quem é que se deve o pinhal de Leiria?
- Ó s'tora, então essa porcaria também não está paga?!

27/03/2011

As religiões abraânicas

Abraão levou o filho para o deserto.... amarrou-o a uma árvore e acendeu uma fogueira debaixo dos seus pés.
   
De repente, uma voz diz:
- Abraão, Abraão, que é isso?
- Senhor, Senhor eu estou sacrificando o meu filho, conforme a Vossa ordem!
- Não, Abraão, eu só queria medir a tua fé!
- Mas Senhor....!
- Abraão, solta o menino!
   
Abraão soltou o filho. O menino saiu disparado... correu, correu, correu, e Abraão gritava:
- Filho volta, filho volta, o Senhor libertou-te!

O menino parou longe e gritou:
- Libertou o caraças! Se eu não fosse ventríloquo, estava bem lixado! 
  

26/03/2011

As varas do negócio

Por elementar questão de justiça, não podemos deixar de referir o percurso vertiginoso, de um homem que começou há poucos anos como caixa de uma agência da Caixa Geral de Depósitos em Mogadouro, e que agora, fala ao telefone com alguns dos mais poderosos governantes de Moçambique, que é um dos principais arguidos de um dos mais falados processos judiciais a decorrer e que, veja-se, é, além de muitas outras coisas de nem se sonha, o representante para África de uma das maiores empresas de construção civil brasileira, a quem foi adjudicada a construção de nova barragem moçambicana a poucos quilómetros de Cahora Bassa.

 Assinalemos, portanto, o sucesso da combinação de interesses entre guebuzinos e socretinos.
    
    



O infiel

Um homem está calmamente no supermercado a fazer compras quando, de repente, uma bela morena, dos seus trinta e poucos anos, olha fixamente para ele e, depois, explode:

- Acho que você é pai de um dos meus meninos!

Incrédulo, faz um rápido exercício de memória, pensa na única vez que foi infiel à mulher e responde aflitíssimo:

- Você é aquela prostituta com quem fiz sexo, sem qualquer  proteção, totalmente embriagado, à beira da piscina, naquela despedida de solteiro do Jorge, que estava ao nosso lado num bacanal com duas das suas colegas?

- Não. Sou professora de matemática do seu filho Joãozinho...

25/03/2011

A vela sagrada

A beata e piedosa Maria Antónia ia pela rua quando se cruzou com o sacerdote maduro.
 
O padre disse-lhe:
- "Bom dia. Por acaso você não é a Maria Antónia, a quem casei já há dois anos na minha antiga diocese?"

Ela respondeu:
- "Efetivamente, padre, sou eu".

O sacerdote perguntou:
- Mas não me lembro de ter baptizado um filho seu. Não teve nenhum?"

Ela respondeu:
- "Não padre, ainda não."

O padre disse:
- "Bem, na próxima semana viajo para Roma. Por isso se você quiser, acendo lá uma vela por si e seu marido, para que recebam a bênção de poder ter filhos."

Ela respondeu:
- "Oh padre, muito obrigada, ficamos ambos muito gratos."

Alguns anos mais tarde encontraram-se novamente. O sacerdote ancião perguntou:
- "Bom dia Maria Antónia. Como está agora? Já teve filhos?"

Ela respondeu:
- "Oh, sim padre, 3 pares de gémeos e mais 4. No total 10!"

Disse o padre:
- Bendito seja o Senhor. Que maravilha. E onde está o seu marido?
- "Vai a caminho de Roma, a ver se apaga a porra da vela"

24/03/2011

The End

O filme de terror socretino está nos minutos finais.

Quinze anos de demagogia, desvario e mentira socialistas conduziram Portugal para a bancarrota.

Mas é preciso que os portuguese não se deixem encantar, mais uma vez, pela anestesia socialista.

A herança é pesada mas os portugueses saberão vencer o desafio.


Exercício de Matemática

José Sócrates, numa das suas múltiplas visitas a escolas.

Numa delas considerada escola-modelo onde foi distribuir uns computadores aos professores, resolve pôr um problema às criancinhas.. (Desta vez, parece que não houve casting prévio...)

- Meninos, tenho um problema para vocês resolverem. Quem acertar na solução ganha um computador que eu ofereço!!!

Então, é assim:

Um avião saiu de Amesterdão com uma velocidade de 800 km/h; a pressão era de 1.004,5 milibares; a humidade relativa era de 66% e a temperatura 20,4ºC.

A tripulação era composta por 5 pessoas, a capacidade era de 45 lugares para passageiros, a casa de banho estava ocupada e havia 5 hospedeiras, mas uma estava de folga.

A pergunta é... Quantos anos tenho eu?

Os alunos ficam assombrados. O silêncio é total. A professora fica estupefacta.

Então, o Joãozinho, lá no fundo da sala e sem levantar a mão, diz de pronto:
- 50 anos, senhor inginheiro!

José Sócrates surpreendido fita-o e diz:
- Caramba! Acertaste em cheio. Vou dar-te o computador! Eu tenho mesmo 50 anos. Mas como encontraste esse número?

E Joãozinho diz:
- Bem, foi muito fácil. Foi uma dedução lógica, porque eu tenho um primo que é "meio parvo" e tem 25 anos...

23/03/2011

Cheira a flores

Os dias estão belos. O campo está coberto de flores prontas a ser colhidas.

22/03/2011

O fim do camelo tirano

O tempo de camelos e palhaços está a chegar ao fim!
Deus é grande, caramba, Allahu Akbar! الله أكبر الله اكبر

21/03/2011

Perdidos

As lendas sobre o pessimismo dos portugueses são altamente exageradas. Na segunda-feira, mal se soube que o primeiro-ministro falaria ao povo à hora do jantar, o povo, pelo menos o que comenta na Internet, começou a ponderar a hipótese de o eng. Sócrates se demitir.

Naturalmente, o eng. Sócrates não se demitiu e limitou-se a a repetir a lengalenga de sempre. O Governo é bom, pois ganha a "batalha da confiança" (?). O PSD é mau, pois despreza o "interesse nacional" (?). O Governo evita a crise. O PSD deseja a crise. A prosperidade do País deve-se ao Governo. A miséria do País deve-se ao PSD. A terminar, notou o carácter internacional da penúria caseira e desaconselhou a "sofreguidão pelo poder" (sic).

A acusação não faz justiça ao dr. Passos Coelho, talvez o político menos sôfrego de poder da era cristã. Mas resume, com involuntária ironia, a essência do eng. Sócrates, a quem uma carreira partidária e um curso arrancado a faxes não atribuíramgrandes talentos. Excepto um: a ânsia de mandar, absurdamente menosprezadapelos ingénuos que imaginam a criatura disponível para abdicar de livre vontade do solitário pretexto da sua existência.

É curioso os cidadãos ainda não terem percebido que o eng. Sócrates é geneticamente incapaz de assumir a responsabilidade pelos abismos a que nos conduz e agir em conformidade. O homem parece-se com as personagens de série Perdidos, que num episódio rebentam com tudo em redor e no episódio seguinte reaparecem entre os destroços, frescas e prontas para outra. Bem traduzida, a verborreia de segunda-feira foi o modo de o eng. Sócrates se declarar pronto para eleições, afinal a única forma de o remover. E os que julgam que a remoção estará garantida devem questionar as lendas sobre a lucidez dos português.

Na vida real, perdidos andamos nós.

Alberto Gonçalves, sociólogo
in «Sábado», 17.03.2011

20/03/2011

A prima Vera

O tempo quente está a chegar, a praia está por aí.
As moças andam mais vaporosas e transparentes.
É tempo das flores e do amor.
É a primavera que anda no ar.

19/03/2011

Devia ser

Para Pedro Boucherie Mendes, diretor dos canais temáticos da SIC, crise existe em África. Sem papas na língua, diz que não compreende um país em que os jovens não andam de scooter mas andam de Smart. Entrevista de José Fialho Gouveia.

Consegue posicionar-se politicamente?
Sou um libertário no sentido americano do termo. Entendo que as pessoas não devem chatear-se umas às outras. Se eu não quero que o vizinho me vá bater à porta não posso pôr a música muito alta. Acho que tenho um lado conservador, sou completamente pró-capitalismo e, para irritar os outros, sou anti-esquerda.

Também é libertário nos costumes?
Não me importo que as pessoas fumem haxixe desde que não me chateiem. Por mim até podiam andar nuas.

Então, de certa forma, encaixa-se em algumas posições da esquerda.
A grande diferença entre mim e a esquerda é que a esquerda tem um objetivo e eu não. Eu não quero nem deixo de querer que os homossexuais se casem. Se quiserem, podem casar à vontade, desde que não encham a entrada da minha casa de grãos de arroz para eu não tropeçar e cair. Não tenho como objetivo de vida o desejo que as outras pessoas sejam felizes. Tenho como objetivo não fazer nada que o impeça.

Sendo anti-esquerda é de direita?
Pois, inevitavelmente um gajo anti-esquerda é de direita, por isso sou obrigado a dizer que sim, embora não pense em mim dessa forma. Penso em mim sendo anti-esquerda e não como sendo de direita. Mas claro que me identifico mais com as posições da chamada direita.

O que odeia na esquerda?
A infantilidade de acharem que tudo no mundo - desde a Amazónia até ao casamento dos homossexuais, passando pela programação das televisões - devia ser . Para a esquerda tudo no mundo devia ser . Esta noção que a esquerda tem de que pode controlar a existência através de legislação e de manifestações é uma infantilidade que me irrita. E depois acho a esquerda muito barulhenta e pouco inteligente na forma como se expressa. E a falta de inteligência perturba-me.

Já votou à esquerda?
Já votei no PS. É esquerda?

Este PS é de esquerda?
Vou tentar responder no fim. Só pode haver democracias com partidos. Irrita-me muito a má fama que a política tem em Portugal e acho que isso é muito culpa da esquerda - tanto que nem há partidos de direita em Portugal e não, o CDS não é de direita. Já votei PS, mas não me lembro bem quando. Tenho uma noção útil do voto, embora ache que não seria capaz de votar no BE - mas isso é uma mania minha. Sei que os partidos não são associações de malfeitores. É óbvio que há pessoas que aproveitam o facto de estarem na política para melhorarem a vida de formas menos ortodoxas, mas isso acontece em todo o lado, até nas filarmónicas. Se este PS é de esquerda? Acho que é do centrão.

Diz que é pró-capitalismo. Como vê esta crise alegadamente originada pelas más práticas do liberalismo?
Em primeiro lugar, não tenho a certeza de que vivemos em crise. Tenho mesmo muita dificuldade em acreditar nisso - refiro-me a Portugal e à Europa. Crise vive-se em África, onde as pessoas são pobres de facto. Crise é as pessoas meterem-se em barcos na Somália para chegarem até Itália. Para mim, um gajo não poder ir a Nova Iorque tantas vezes quantas gostaria não é crise.

O problema do desempregado que estiver a ler esta entrevista não deve ser reduzir o número de viagens a Nova Iorque.
Obviamente que depende do desempregado de que estamos a falar. Sem querer ser chocante - embora me esteja a cagar -, estou preparado para estar desempregado. Isto quer dizer que tenho dinheiro de parte; quer dizer que tenho uma casa boa, mas abaixo das minhas posses; quer dizer que o meu filho anda numa escola pública, quando poderia andar no Saint Julian's, porque tenho dinheiro para isso. Estou preparado para estar desempregado. Se o desempregado que estiver a ler esta entrevista estiver irritado porque o problema dele não é poder ir a Nova Iorque, na minha opinião ele quer ter um emprego para poder ir a Nova Iorque e comprar um iPad. Não consigo conceber um país onde as pessoas não andam de scooter e andam todas de Smart. Qualquer parque de estacionamento de uma universidade está cheio de carros de estudantes. Este país está em crise? É demagógico o que estou a dizer? Pode ser considerado demagógico, mas não acho que seja. Por que é que em Portugal não há scooters? Por que é que os putos não vão de scooter para o Bairro Alto beber copos e vão de Smart? Já as pessoas que vivem na Covilhã e foram para o desemprego porque a fábrica fechou - isto para caricaturar outro tipo de desempregado - têm mecanismos do Estado à sua disposição, como o subsídio de desemprego e o rendimento mínimo. Embora este não seja um discurso politicamente correto, estou a tentar pôr as coisas em perspetiva. É evidente que em todas as sociedades há situações dramáticas. Mesmo que Portugal estivesse a crescer 18% ao ano haveria pessoas no desemprego. Mas creio que as pessoas vivem melhor do que aquilo que julgam, porque em Portugal vigora a política do não conta.

O que é isso da política do não conta ?
Há um gajo que diz: Eh pá, estou desempregado, isto está péssimo . Mas tu tens uma casa no Algarve e vais para lá todos os fins-de-semana no Verão . Eh pá, mas isso não conta, um gajo tem de espairecer . Portugal é o país da Europa com maior taxa de segunda habitação. Portugal é o país da Europa onde os estudantes têm mais computadores portáteis. Mas isso não conta. Os festivais de música estão sempre cheios, mas isso também não conta. E depois vemos reportagens - e isso dá-me vontade de rir - sobre pessoas que estão em situação dramática, mas têm empregada doméstica. Se eu ficasse desempregado, uma das primeiras coisas que faria seria despedir a minha e passava eu a lavar a roupa. Não deve ser muito difícil. E os telemóveis também não contam.

Como vê a geração à rasca dos Deolinda?
Não acredito em Deus, mas acho uma ironia do caraças terem nome de empregada doméstica. Todas as gerações tiveram os seus desafios, mas antes não havia Facebook nem computadores. Os jovens agora podem ir a Nova Iorque à vontade porque se tiverem uma oferta de emprego toca-lhes o telemóvel. Eu estive desempregado com 23 anos e passava as tardes em casa à espera que o telefone tocasse porque só havia telefone fixo. Se calhar é melhor estar desempregado agora. E não estou a ser irónico. Hoje o mundo é muito mais pequeno. Os jovens podem ir trabalhar para o estrangeiro ou trabalhar em casa. Na minha altura não. E muitos destes jovens são filhos de pais que ganham bem e vão herdar uma casa. É preciso ver as coisas em perspetiva, mas reconheço que não gostava de ser jovem hoje porque sei que é quase impossível arranjar emprego.

Não estando certo de que há crise, como vê as políticas de austeridade?
Sei que a democracia representativa é um dos maiores achievements da humanidade e um gajo tem de acreditar que os gajos sabem o que estão a fazer.

Simpatiza com Sócrates e com Cavaco?
Se ia jantar fora com eles?

Se acha que estão bem nos seus papéis.
Acho que Portugal tem exatamente o que merece.

in «Sol»,  11.03.2011

Como um rio

O canal de TV francês Mezzo emitiu recentemente um espetáculo do grupo de Rabih Abou-Khalil, um artista de origem libanesa que vive na Europa desde a guerra civil que atingiu o seu país.

O interessante adicional desse espetáculo é a presença do fadista português Ricardo Ribeiro que o teu acompanhado em vários eventos, incluindo no album «Em Português» (ed. Enja, 2008) que pode ser ouvido aqui.

O espetáculo exibido pelo Mezzo é fabuloso e a voz densa de Ricardo Ribeiro balanceia com os sons de jazz de inspiração árabe, produzindo uma toada mediterrânica .

Indispensável!

18/03/2011

História de Portugal (versão brasuca)

Carlota Joaquina, espanhola de nascimento e casada com o Rei D. João VI era reconhecidamente adúltera, tal como sua mãe, Maria Luísa de Parma, que traía o marido, o Rei Carlos IV de Espanha, com o primeiro-ministro Manuel Godoy.

Raul Brandão conta no livro El Rei Junot uma história que demonstra a que ponto o casal real se incompatibilizou: "O príncipe regente (D. João VI) bota a cabeça de fora e, ao avistar a carruagem de Carlota Joaquina, berra num desespero:
- Parem! Parem! Voltem para trás que aí vem a p...!".

Carlota Joaquina era descrita como uma mulher horrível, coxa, baixa, de nariz vermelho, cheia de cáries e borbulhas (Alberto Pimentel no seu livro A Última Corte do Absolutismo em Portugal).

E agora, vejam a versão bem humorada dos brasileiros.

17/03/2011

A culpa da comunicação social

Como seria noticiada hoje em Portugal a história do Capuchinho Vermelho...

na TV portuguesa:

TELEJORNAL - RTP1
"Boa noite. Uma menina chegou a ser devorada por um lobo na noite de ontem... mas a atuação de um caçador evitou uma tragédia"

JORNAL DA NOITE - SIC
"Vamos agora dar-lhe conta de uma notícia de última hora. Uma menina foi literalmente engolida por um lobo quando se dirigia para casa da sua avó! Esta é uma história aterradora mas com um final feliz... o Sr. telespectador não vai acreditar mas, esta linda criança foi retirada viva da barriga do lobo! Simplesmente genial!"

JORNAL NACIONAL - TVI
"... onde vamos parar, onde estão as autoridades deste país?! A menina ia sozinha para a casa da avó a pé! Não existe transporte público naquela zona? Onde está a família desta menina? E a Comissão de Proteção de Menores? Tragicamente esta criança foi devorada viva por um lobo. Em épocas de crise, até os lobos, animais em vias de extinção, resolvem aparecer?? Isto é uma lambada na cara da atual governação portuguesa."

na imprensa portuguesa:

CORREIO DA MANHÃ
"Governo envolvido no escândalo do Lobo"

JORNAL DE NOTICIAS
"Como chegar à casa da avozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho"

Revista MARIA
"Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama"

LUX
"Na cama com o lobo e a avó"

EXPRESSO
Legenda da foto: "Capuchinho, à direita, aperta a mão do seu salvador". Na reportagem, caixa com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Capuchinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

PÚBLICO
"Lobo que devorou Capuchinho Vermelho seria filiado no PS"

O PRIMEIRO DE JANEIRO
"Sangue e tragédia na casa da avozinha"

CARAS
Ensaio fotográfico com Capuchinho na semana seguinte: Na banheira de hidromassagem, Capuchinho fala à CARAS: "Até ser devorada, eu não dava valor à vida. Hoje sou outra pessoa."

MAXMEN
Ensaio fotográfico no mês seguinte:
"Veja o que só o lobo viu"

SOL
"Gravações revelam que lobo foi assessor político de grande influência"

16/03/2011

Golpe das Caldas

A 16 de Março de 1974 teve lugar o levantamento militar do quartel das Caldas da Rainha e que constituiu uma tentativa falhada de derrubar o governo de Marcelo Caetano.

Nos dias seguintes, assistir-se-ia a movimentos opostos por parte dos generais que constituiam a "brigada do reumático" - tentativa frustada de apoio ao regime por parte de militares retrógrados - e que terminaria com (a grande bronca) o derrube definitivo a 25 de abril.

15/03/2011

O "bom" aluno

A "cimeira europeia" sob olhar atento de cartoonista (in «Sol»).

14/03/2011

De gauche ou de droite?

De esquerda ou direita?

Quando um tipo de direita não gosta de armas, não as compra.
Quando um tipo de esquerda não gosta de armas, quer proibi-las.

Quando um tipo de direita é vegetariano, não come carne.
Quando um tipo de esquerda é vegetariano, quer fazer campanha contra os produtos à base de proteínas animais.

Quando um tipo de direita é homossexual, vive tranquilamente a sua vida como tal.
Quando um tipo de esquerda é homossexual, faz um chinfrim para que todos o respeitem.

Quando um tipo de direita é prejudicado no trabalho, reflete sobre a forma de sair desta situação e age em conformidade.
Quando um tipo de esquerda é prejudicado no trabalho, levanta uma queixa contra a discriminação de que foi alvo.

Quando um tipo de direita não gosta de um debate emitido por televisão, apaga a televisão ou muda de canal.
Quando um tipo de esquerda não gosta de um debate emitido por televisão, quer prosseguir em justiça contra os sacanas que dizem essas sacanices. Se for caso disso, uma pequena queixa por difamação será bem-vinda.

Quando um tipo de direita é ateu, não vai à igreja, nem à sinagoga, nem à mesquita.
Quando um tipo de esquerda é ateu, quer que nenhuma alusão à Deus ou a uma religião seja feita na esfera pública, excepto para o Islão (com medo de retaliações, provavelmente).

Quando um tipo de direita tem necessidade de cuidados médicos, vai ver o seu médico e, seguidamente, compra os medicamentos receitados.
Quando um tipo de esquerda tem necessidade de cuidados médicos, recorre à segurança social.

Quando a economia vai mal, o tipo de direita diz que é necessário arregaçar as mangas e trabalhar mais.
Quando a economia vai mal, o tipo de esquerda diz que os sacanas dos proprietários são os responsáveis e punem o país.

Teste final:
Quando um tipo de direita lê este teste, fá-lo seguir.
Quando um tipo de esquerda lê este teste, não o transfere de certeza.

NOTA: o original deste texto é em Francês.
Foi traduzido para português, para que os da esquerda também o pudessem perceber.

13/03/2011

O preço do café

O café uma bebida fantástica. Com origem na Etiópia, é atualmente cultivada em várias partes do mundo.

Nos último tempos, o preço não pára de subir!

O seu aroma é especial.

12/03/2011

Futuro perfeito

Este é o próximo futuro!

11/03/2011

Gadú caipira

A brasileira Maria Gadú, uma jovem e talentosa artista da nova geração de cantores e compositores da música popular brasileira, deu hoje à noite um espetáculo no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Para quem ouve os seus vídeos na internet ou escuta o seu (único) CD em que se exprime numa voz doce e suave como é "tradição" na música brasileira, não poderia apanhar maior susto com evento tão careta.

Lamentável a todos os títulos: fazendo-se acompanhar por uma orquestra ruidosa que abafava a voz da cantora, com a cabeça coberta com uma bóina cuja sombra escondia a cara, a sua música estava afogada num imenso ruído.

Para completar o drama, um acompanhante descabelado tocava de costas para a plateia, Gabú embebedava-se em copos de água e fazia comentários caipiras de quem parece chegado à Europa e fica de boca aberta.

Uma pena!



É a economia, estúpido!

10/03/2011

Tumbalalaika

Na Sinagoga Judaico-Portuguesa de Amesterdão, Holanda, assiste-se um fabuloso espetáculo Tumbalalaika.

A Sinagoga é iluminada apenas por velas e foi construída há várias centenas de anos e nunca foi eletrificada. O arco, assentos e tudo o mais foram feitos à mão por construtores de barcos.


Inexplicavelmente, durante a II Guerra Mundial, os nazis nunca se interessaram por esta preciosidade e jamais entraram nela. Encontra-se, portanto, intacta e tal como foi erguida.

09/03/2011

O amigo Kadafi


Em 2007 e em Lisboa, os opositores das mais sangrentas ditaduras africanas eram afastados pela polícia do regime socretino, tudo em nome dos aromas de petróleo.

Eu acuso, J'acuse

Tributo ao professor Castro Gomes (*)

Mon devoir est de parler, je ne veux pas être complice. (Émile Zola)
Meu dever é falar, não quero ser cúmplice. (Émile Zola)

Foi uma tragédia fartamente anunciada. Em milhares de casos, desrespeito. Em outros tantos, escárnio. Em Belo Horizonte, um estudante processa a escola e o professor que lhe deu notas baixas, alegando que teve danos morais ao ter que virar noites estudando para a prova subsequente. (Notem bem: o alegado "dano moral" do estudante foi ter que... estudar!).

A coisa não fica apenas por aí. Pelo Brasil afora, ameaças constantes. Ainda neste ano, uma professora brutalmente espancada por um aluno. O ápice desta escalada macabra não poderia ser outro.

O professor Kássio Vinícius Castro Gomes pagou com sua vida, com seu futuro, com o futuro de sua esposa e filhas, com as lágrimas eternas de sua mãe, pela irresponsabilidade que há muito vem tomando conta dos ambientes escolares.

Há uma lógica perversa por trás dessa asquerosa escalada. A promoção do desrespeito aos valores, ao bom senso, às regras de bem viver e à autoridade foi elevada a método de ensino e imperativo de convivência supostamente democrática.

No início, foi o maio de 68, em Paris: gritava-se nas ruas que "era proibido proibir". Depois, a geração do "não bate, que traumatiza". A coisa continuou: "Não reprove, que atrapalha". Não dê provas difíceis, pois "temos que respeitar o perfil dos nossos alunos". Aliás, "prova não prova nada". Deixe o aluno "construir seu conhecimento." Não vamos avaliar o aluno. Pensando bem, "é o aluno que vai avaliar o professor". Afinal de contas, ele está pagando...

E como a estupidez humana não tem limite, a avacalhação geral epidêmica, travestida de "novo paradigma", prosseguiu a todo vapor, em vários setores: "o bandido é vítima da sociedade", "temos que mudar 'tudo isso que está aí'; "mais importante que ter conhecimento é ser 'crítico'."

Claro que a intelectualidade rasa de pedagogos de panfleto e burocratas carreiristas ganhou um imenso impulso com a mercantilização desabrida do ensino: agora, o discurso anti-disciplina é anabolizado pela lógica doentia e desonesta da paparicação ao aluno–cliente...

Estamos criando gerações em que uma parcela considerável de nossos cidadãos é composta de adultos mimados, despreparados para os problemas, decepções e desafios da vida, incapazes de lidar com conflitos e, pior, dotados de uma delirante certeza de que "o mundo lhes deve algo".

Um desses jovens, revoltado com suas notas baixas, cravou uma faca com dezoito centímetros de lâmina, bem no coração de um professor. Tirou-lhe tudo o que tinha e tudo o que poderia vir a ter, sentir, amar.

Ao assassino, corretamente , deverão ser concedidos todos os direitos que a lei prevê: o direito ao tratamento humano, o direito à ampla defesa, o direito de não ser condenado em pena maior do que a prevista em lei. Tudo isso, e muito mais, fará parte do devido processo legal, que se iniciará com a denúncia, a ser apresentada pelo Ministério Público. A acusação penal ao autor do homicídio cobarde virá do promotor de justiça. Mas, com a licença devida ao célebre texto de Emile Zola, EU ACUSO tantos outros que estão por trás do cabo da faca:

EU ACUSO a pedagogia ideologizada, que pretende relativizar tudo e todos, equiparando certo ao errado e vice-versa;

EU ACUSO os pseudo-intelectuais de panfleto, que romantizam a "revolta dos oprimidos"e justificam a violência por parte daqueles que se sentem vítimas;

EU ACUSO os burocratas da educação e suas cartilhas do politicamente correto, que impedem a escola de constar faltas graves no histórico escolar, mesmo de alunos criminosos, deixando-os livres para tumultuar e cometer crimes em outras escolas;

EU ACUSO a hipocrisia de exigir professores com mestrado e doutorado, muitos dos quais, no dia a dia, serão pressionados a dar provas bem tranquilas, provas de mentirinha, para "adequar a avaliação ao perfil dos alunos";

EU ACUSO os últimos tantos Ministros da Educação, que em nome de estatísticas hipócritas e interesses privados, permitiram a proliferação de cursos superiores completamente sem condições, freqüentados por alunos igualmente sem condições de ali estar;

EU ACUSO a mercantilização cretina do ensino, a venda de diplomas e títulos sem o mínimo de interesse e de responsabilidade com o conteúdo e formação dos alunos, bem como de suas futuras missões na sociedade;

EU ACUSO a lógica doentia e hipócrita do aluno-cliente, cada vez menos exigido e cada vez mais paparicado e enganado, o qual, finge que não sabe que, para a escola que lhe paparica, seu boleto hoje vale muito mais do que seu sucesso e sua felicidade amanhã;

EU ACUSO a hipocrisia das escolas que jamais reprovam seus alunos, as quais formam analfabetos funcionais só para maquiar estatísticas do IDH e dizer ao mundo que o número de alunos com segundo grau completo cresceu "tantos por cento";

EU ACUSO os que aplaudem tais escolas e ainda trabalham pela massificação do ensino superior, sem entender que o aluno que ali chega deve ter o mínimo de preparo civilizacional, intelectual e moral, pois estamos chegando ao tempo no qual o aluno "terá direito" de se tornar médico ou advogado sem sequer saber escrever, tudo para o desespero de seus futuros clientes-cobaia;

EU ACUSO os que agora falam em promover um "novo paradigma", uma "nova cultura de paz", pois o que se deve promover é a boa e VELHA cultura da "vergonha na cara", do respeito às normas, à autoridade e do respeito ao ambiente universitário como um ambiente de busca do conhecimento;

EU ACUSO os "cabeça – boa" que acham e ensinam que disciplina é "careta", que respeito às normas é coisa de velho decrépito;

EU ACUSO os métodos de avaliação de professores, que se tornaram templos de vendilhões, nos quais votos são comprados e vendidos em troca de piadinhas, sorrisos e notas fáceis;

EU ACUSO os alunos que protestam contra a impunidade dos políticos, mas gabam-se de copiar nas provas, assim como ACUSO os professores que, vendo tais alunos copiarem, não têm coragem de aplicar a devida punição;

EU VEEMENTEMENTE ACUSO os diretores e coordenadores que impedem os professores de punir os alunos que colam, ou pretendem que os professores sejam "promoters" de seus cursos;

EU ACUSO os diretores e coordenadores regionais que toleram condutas desrespeitosas de alunos contra professores e funcionários, pois sua omissão quanto aos pequenos incidentes é diretamente responsável pela ocorrência dos incidentes maiores;

Uma multidão de filhos tiranos que se tornam alunos-clientes, serão despejados na vida como adultos eternamente infantilizados e totalmente despreparados, tanto tecnicamente para o exercício da profissão, quanto pessoalmente para os conflitos, desafios e decepções do dia a dia.

Ensimesmados em seus delírios de perseguição ou de grandeza, estes jovens mostram cada vez menos preparo na delicada e essencial arte que é lidar com aquele ser complexo e imprevisível que podemos chamar de "o outro".

A infantilização eterna cria a seguinte e horrenda lógica, hoje na cabeça de muitas crianças em corpo de adulto: "Se eu tiro nota baixa, a culpa é do professor. Se não tenho dinheiro, a culpa é do patrão. Se me drogo, a culpa é dos meus pais. Se furto, roubo, mato, a culpa é do sistema. Eu, sou apenas uma vítima. Uma eterna vítima. O opressor é você, que trabalha, paga suas contas em dia e vive sua vida. Minhas coisas não saíram como eu queria. Estou com muita raiva. Quando eu era criança, eu batia os pés no chão. Mas agora, fisicamente, eu cresci. Portanto, você pode ser o próximo."

Qualquer um de nós pode ser o próximo, por qualquer motivo. Em qualquer lugar, dentro ou fora das escolas. A facada ignóbil no professor dói no peito de todos nós. Que a sua morte não seja em vão.

É hora de repensarmos a educação e abrirmos mão dos modismos e invencionices. A melhor "nova cultura de paz" que podemos adotar nas escolas e universidades é fazermos as pazes com os bons e velhos conceitos de seriedade, responsabilidade, disciplina e estudo de verdade.

Igor Pantuzza Wildmann
Advogado – Doutor em Direito. Professor universitário.

(*) O Professor Kássio Vinícius Castro Gomes foi assassinado, em dezembro de 2010, por um seu aluno universitário descontente com as notas baixas

NR - a Redação recomenda vivamente que este texto seja reproduzido e redistribuído porque constitui um lúcido alarme para todos os pais que têm filhos sob a ditadura do eduquês e para os que assistem ao suicídio da moderna civilização sob efeito do politicamente correto, do multiculturalismo, do populismo, da demagogia e do marxismo encapotado.

08/03/2011

8 de março

Porque hoje é um dia especial, recordemos mulheres que têm sofrido.
A afegã Bibi Aisha, de 18 anos, foi mutilada pelo marido no nariz e orelhas. Vive hoje nos Estados Unidos e recebeu um prótese que lhe reconstituiu o nariz.
A fotografia foi obtida pela sul.africana Jodi Bieber e venceu o World Press Photo 2011


 


07/03/2011

Fábula do motoqueiro e do passarinho

O motoqueiro vai a 140 km/h pela Avenida Brasil, em Lisboa. De repente, dá de encontro com um passarinho e não consegue desviar:

- "Catapuuum!", acerta no passarinho.

Pelo retrovisor, o rapaz vê o bichinho dando várias piruetas no ar e cair estendido no asfalto. Não contendo o remorso, pára a moto e volta para socorrer o bichinho.

O passarinho estava lá, agonizante. Bom samaritano, o motoqueiro recolhe a pequena ave e leva-a a correr a um veterinário próximo. Felizmente, o passarinho é logo atendido e cuidadosamente tratado e medicado.

Vendo o  bem sucedido atendimento, o motoqueiro vai à rua e compra a gaiolinha mais bonita que encontra.

Encerrado o atendimento de emergência, leva o passarinho ainda inconsciente para casa.

Atenciosamente, tem o cuidado de deixar um pedacinho de pão e água para o pássaro acidentado se alimentar assim que acordasse.

No dia seguinte, o passarinho recupera a consciência. Ao despertar, o pequeno pássaro vê-se preso, cercado por grades. Olhando ao redor, vê um pedaço de pão e uma vasilha de água, no canto.

O bichinho, assustado, põe as asinhas na cabeça e grita:

- Porra, matei o motoqueiro!

06/03/2011

A luta continua camaradas

Para assinalar os 90 anos do partido-camarada e demonstrar o manicómio em que se tornou Portugal, a RTP far-se-á representar no Festival da Eurovisão 2011 (Düsseldorf, Alemanha) pelo pagode dos «Homens da Luta»!

Um excelente contributo, camaradas! Abaixo a reação!



90 anos do PCP

O outrora "paraíso na Terra", ainda adorado no PCP, é aqui desmontado.

Nos 90 anos do PCP, importa perguntar por onde andam os que se reclamam de herdeiros desta barbárie?

Akordo hortográphico

Há gente muito preocupada em combater o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Enfim, saudosismos!

Para os lados de Campolide, Lisboa, já está a ser preparada a nova versão 2015, já utilizada por um resturante da zona:

05/03/2011

Kadafi fala aos Portugueses

O grande coronel Ghadafi, amado líder da Líbia, dirigiu uma mensagem de solidariedade para com o povo português. Nesta época de Carnaval, é a mensagem mais apropriada que poderia ser feita.

Nota da Redação: o coronel admitiu a possibilidade de comparecer em Portugal a 12 de março para acompanhar a manifestação contra o governo socretino. Este jornal enviará um reporter para cobrir o evento.

04/03/2011

BR de burro?

Será que os automóveis comem erva?

A pergunta é legítima se tivermos em conta a atração fatal entre alguns automobilistas e espaços verdes. É o caso desta reportagem que aponta para um asno comedor de relva.

Idiota 01-03-BR


03/03/2011

Cenas campestres

Um abastado lavrador da Amareleja meteu-se no seu jipe e foi a um monte vizinho.

Bateu à porta.
Um miúdo de cerca de 9 anos vem abrir.

- O tê pai está em casa?
- Nã senhori foi a Évora.
- Bem, a tua mãe está em casa?
- Nã senhori ela também nã está. Foi com o mê pai.
- E o tê irmão Maneli? Ele está...
- Nã senhori, ele também foi com a mãe e com o pai.

O lavrador ficou ali uns minutos, mudando de um pé para o outro e resmungando sozinho.

- Posso ajudá-lo em alguma coisa, pergunta o rapaz delicadamente; ê sei onde estão as ferramentas; se quiser alguma emprestada; ou talvez possa dar um recado ao mê pai...!!

- Bem, diz o lavrador, com cara de chateado, realmente queria falar com o tê pai, por causa do tê irmão Maneli; ele engravidou a minha filha Raqueli.

O rapaz pensou por uns momentos...
- Lá disso nãa sêi, terá de falar com o mê pai. Se lhe servir de alguma ajuda para ir fazendo contas, ê sêi que o pai cobra 500 pelo touro, 100 pelo cavalo e 50 pelo porco, mas realmente nã sê quanto é que ele lhe vai levar pelo Maneli!...

02/03/2011

O iPad 2 pela mão do deus

O mago da Apple, Steve Jobs, participou de surpresa na sessão de anúncio do novo iPad 2 (vídeo da CNN).

Esta nova "varinha mágica" estará no mercado americano a 11 de Março e na Europa, a 25.


A verdade do Facebook

Infelizmente as coisas boas que uns fazem, outros aproveitam para fazer o mal.

Esta semana na televisão houve reportagem todos os dias com Joaquín López Dóriga (jornalista mexicano) sobre o Facebook, o Hi5, Myspace, Sonico, Netlog, etc , e o perigo do seu uso. Vem uma reportagem diária no jornal «Milénio», sobre como os sequestradores têm como fonte de informação direta e confiável nos blogs do Facebook e do Hi5.

Entrevistaram uns sequestradores que dizem que entram na rede e vêm os rostos, a casa, os carros, as fotos de viagem e sabem o nível social e económico que têm os utilizadores. Na televisão, um deles declarou que antes investigavam muito para conhecer os candidatos a sequestros, mas que agora com o Facebook e a informação que pomos voluntariamente na rede, já não se enganam e nem têm que investigar onde vivem, que escola frequentam, para onde viajam, quem são os país, irmãos e amigos.

Passou-se com Alejandro Marti, (jovem mexicano morto pelos seus sequestradores) que colocava tudo. A familia acaba de fechar o seu blog depois de dar conta da quantidade de informação potencialmente perigosa que o jovem colocou com alegría e sem suspeitar que estava a ajudar a quem o matou. Protejam os vossos filhos e protejam-se. Não coloquem informação íntima e pessoal na rede.

A VERDADE SOBRE O 'FACEBOOK'

O Facebook está a vender a informação dos seus usuários ao maior espião.
Cito textualmente: 'O que muitos utilizadores não sabem é que, de acordo com as condições do contrato que virtualmente assumem, ao fazer click no quadro "aceito", os utilizadores autorizam e consentem ao Facebook a propriedade exclusiva e perpétua de toda a informação e imagens que publicam.'

Assim, ressalta o perito, os membros 'automaticamente autorizam ao Facebook o uso vitalício e transferível, junto com os direitos de distribuição , de tudo o que colocam na sua página Web.' Os termos de uso reserva ao Facebook o direito a conceder e sub-licenciar todo o "Conteúdo do usuário" a outros propósitos. Sem o seu consentimento, muitos usuários convertem as suas fotografías em publicidade, tranformando um comércio privado num pertence público.

De repente tudo o que os seus membros publicaram, incluindo as suas fotografías pessoais, a sua tendencia política , o estado das suas relações afetivas, interesses individuais e até a morada de casa , foi enviado sem autorização expressa a milhares de usuários.

Há que acreditar em Mr. Melber quando assegura que muitos empregadores americanos ao avaliar os C.V., consultam o Facebook para conhecer intimidades dos candidatos. A prova de que uma página no Facebook não é privada, evidenciou-se num conhecido caso da Universidade John Brown que expulsou um estudante quando descobriu uma foto que colocou no Facebook vestido de travesti. Outra evidência aconteceu quando um agente do Serviço Secreto visitou na Universidade de Oklahoma o estudante do segundo ano Saúl Martínez, por um comentário que publicou contra o presidente. E para cúmulo, o assunto não termina quando os utilizadores cancelem a sua conta : as suas fotos e informação permanecem, segundo o Facebook, para o caso de quererem reativar a sua conta ; o utilizador não é retirado, inclusivé, quando morre. De acordo com as 'condições de uso,' os membros não podem obrigar que o Facebook retire os dados e imagens dos seus dados, já que quando o falecido aceitou o contrato virtual, concedeu ao Facebook o direito de mantê-lo activo sob um status especial de partilha por um período de tempo determinado para permitir que outros usuários possam publicar e observar comentários sobre o defunto.

Saibam os utilizadores do Facebook que são participantes indefesos de um cenário que os académicos qualificam como o caso de espionagem maior na história da humanidade.

Convertem-se de forma inconsciente nos percursores no fenómeno de 'Big Brother'. Alusão direta à intromissão abusiva do estado nos assuntos privados do cidadão comum para controlar o seu comportamento social, tema de uma novela profundamente premonitória escrita en 1932 pelo britânico Aldous Huxley: "Um Mundo Feliz" ("1984").

Gestão por objetivos

Era uma vez uma aldeia onde viviam dois homens que tinham o mesmo nome: Joaquim Gonçalves.

Um era sacerdote e o outro, taxista.
Quis o destino que morressem no mesmo dia.
Quando chegaram ao céu, São Pedro esperava-os.

- O teu nome?
- Joaquim Gonçalves.
- És o sacerdote?
- Não, o taxista.

São Pedro consulta as suas notas e diz:
- Bom, ganhaste o paraíso. Levas esta túnica com fios de ouro e este ceptro de platina com incrustações de rubis. Podes entrar.

- O teu nome?
- Joaquim Gonçalves.
- És o sacerdote?
- Sim, sou eu mesmo.
- Muito bem, meu filho, ganhaste o paraíso. Levas esta bata de linho e este ceptro de ferro.

O sacerdote diz:
- Desculpe, mas deve haver engano. Eu sou o Joaquim Gonçalves, o sacerdote!
- Sim, meu filho, ganhaste o paraíso. Levas esta bata de linho e...
- Não pode ser! Eu conheço o outro senhor. Era taxista, vivia na minha aldeia e era um desastre! Subia os passeios, batia com o carro todos os dias, conduzia pessimamente e assustava as pessoas. Nunca mudou, apesar das multas e repreensões policiais. E quanto a mim, passei 75 anos pregando todos os domingos na paróquia. Como é que ele recebe a túnica com fios de ouro e eu... isto?

- Não é nenhum engano - diz São Pedro. - Aqui no céu, estamos a fazer uma gestão mais profissional, como a que vocês fazem lá na Terra..
- Não entendo!
- Eu explico. Agora orientamo-nos por objetivos. É assim: durante os últimos anos, cada vez que tu pregavas, as pessoas dormiam. E cada vez que ele conduzia o táxi, as pessoas começavam a rezar. Resultados! Percebeste? Gestão por Objectivos! O que interessa são os resultados, a forma de lá chegar é completamente secundária....!