27/11/2013

Schweine Σωκράτης

Ouve lá animal: os portugueses estão fartos das tuas porcarias e negociatas. Desampara-nos a loja, emigra, desaparece, vai filosofar para Antártida.

Não inventes mais. Não são precisos mais TGV, OTA, SCUT e Magalhães.

Esquece-nos, deixa-nos em paz, porra!

19/11/2013

Cunha para a filha do camarada Sérgio Vieira

 
Embaixadora tentou favorecer filha de político que decidiria sobre a Vale

Leda Lúcia Camargo comandava a Embaixada do Brasil em Moçambique quando pediu, em 2004, que fosse 'considerada com especial atenção' candidatura de estudante ao PEC-G

 
Amanda Rossi - Especial para o Estado, 31 de outubro de 2013

A embaixadora brasileira Leda Lucia Camargo tentou favorecer a candidatura da filha de um político de Moçambique para o Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), que oferece vagas para estrangeiros no Brasil, em 2004. Segundo a diplomata, o político era um dos "mais importantes integrantes" do grupo que decidiria naquele ano se a Vale do Rio Doce receberia concessão para explorar o carvão de Moatize, no norte do país. 
Telegrama da embaixadora - Reprodução
Reprodução
Telegrama da embaixadora
"Tomo a liberdade de recomendar que seja considerada com especial atenção a candidatura da estudante (4ª colocada com alta média entre 33 candidatos) ao curso de Estilismo e Moda da Universidade de Londrina. A estudante é filha de Sérgio Vieira, alta autoridade do núcleo político do governo moçambicano, um dos mais importantes integrantes do grupo que decidirá sobre as minas de Moatize", escreveu em telegrama confidencial e urgente enviado para o Itamaraty em 21 de julho de 2004.
Apesar do pedido, a estudante não foi aceita. A Vale ganhou o direito de explorar o carvão moçambicano em novembro de 2004. Leda Camargo foi a embaixadora do Brasil em Maputo entre 2004 e 2007 e hoje comanda a Embaixada na Suécia.
O PEC-G é o maior programa de cooperação educacional do Brasil, desenvolvido pelo Itamaraty e pelo Ministério da Educação (MEC). Estão cadastradas 97 instituições de ensino superior, entre elas USP, Unicamp, UnB e UFRJ. De 2000 a 2013, foram beneficiados 7.600 estudantes da África e América Latina. A escolha é feita em duas etapas. Primeiro, as embaixadas brasileiras fazem uma pré-seleção. Em 2004, a Embaixada do Brasil em Moçambique selecionou 33 nomes, entre eles o da estudante citada no telegrama. Já a seleção final é feita em Brasília pelo MEC. Nesta fase, a garota não foi incluída entre os 20 selecionados.
Negativa. O Itamaraty e a embaixadora Leda Camargo disseram que não podem comentar o teor do telegrama porque ele está classificado como "secreto", ou seja, com grau de sigilo de 15 anos – até 2019. Originalmente, o grau de sigilo era "confidencial" - 10 anos. Em abril de 2012, um mês antes da entrada em vigor do decreto que regulamentou a Lei de Acesso à Informação, o Itamaraty ampliou o prazo de sigilo do telegrama.
Em nota, a Vale afirmou que não tem nenhuma relação com os temas apresentados.
Já Sérgio Vieira nega ter sinalizado para Leda Camargo que a decisão de Moatize poderia ser influenciada pela escolha de sua filha para universidade brasileira. "Jamais me passaria pela cabeça uma tal tentativa nojenta de corrupção. A Vale obteve a concessão porque ganhou num concurso em que participaram várias transnacionais". Ele diz que não fez parte do júri que tomou a decisão.
Vieira é um quadro histórico da Frelimo, partido que lutou pela independência e segue no poder. Muito respeitado em Moçambique, ele deixou o governo em 2012 e tem feito críticas ao reassentamento de famílias que viviam na região hoje explorada pela Vale. "Movimenta-se pessoas como mercadorias e no mero interesse do chamado investidor. O que lhes dá em troca? Uma casa a dezenas de quilômetros quando nunca pediram uma nova casa?", afirmou em evento em Maputo, em maio.
A embaixadora Leda Camargo, apesar de considerada no Itamaraty como uma boa negociadora, é uma figura polêmica. Em 2005, a imprensa moçambicana publicou supostas declarações suas de que seu cachorro era mais limpo que os moçambicanos. A frase teria sido dita após Leda ser impedida de entrar com o animal em um shopping de Maputo, capital do país. A embaixadora nega o caso.
Vale. No telegrama de julho de 2004 para o Itamaraty, Leda Camargo ainda dá informações sobre o processo de escolha da mineradora de carvão. "Vieira disse que a CVRD [Companhia Vale do Rio Doce] não deve esquecer que tem 3 concorrentes de peso e que a vencedora certamente será a empresa que estiver mais atenta aos interesses moçambicanos". Para o Estado, Vieira disse que os interesses eram "não ficarmos com os buracos e eles com tudo de riqueza. Infelizmente já surgiram vários conflitos com a Vale, populações sentem-se espoliadas".
O telegrama continua: "Embora o governo local deseje ver vencedora a companhia brasileira, esse sentimento se deve não a uma preferência específica pela Vale, mas por querer atender ao interesse manifestado nesse sentido pelo presidente Lula". No ano anterior, durante a primeira viagem de Luiz Inácio Lula da Silva à África, o então presidente havia se pronunciado a favor da empresa brasileira.
"Necessitamos de projetos de grande envergadura, que sirvam de âncora ao nosso relacionamento econômico. Por isso tenho procurado apoiar o interesse de algumas empresas e, sobretudo, da Vale do Rio Doce na exploração de carvão de Moatize", discursou Lula.
A participação do governo brasileiro nas negociações para a exploração do carvão de Moçambique começou em 1980 e envolveu praticamente todos os presidentes de João Figueiredo a Lula. Em 1981, a Companhia Brasileira de Recursos Minerais começou a fazer pesquisa geológica no país. Em 1989, com José Sarney, a Vale – ainda estatal – assinou acordo para fazer um estudo de viabilidade baseado no modelo de Carajás, no Pará.
Em 2000, após a privatização da Vale, Fernando Henrique Cardoso visitou Moçambique e o carvão voltou à baila. "As negociações estão avançando. Elas se desenvolvem a partir do impulso inicial dado pela visita a Maputo do Presidente Fernando Henrique Cardoso", escreveu em telegrama de fevereiro de 2001 o então embaixador Hélder Martins de Moraes. Ao longo de 2002, a Vale firmou seu interesse no projeto. Com a entrada de Lula, em 2003, as conversas avançaram.
Em 2004, depois de mais de 24 anos de negociações, o Brasil ganhou concessão para explorar o carvão moçambicano. "A Vale apresentou um projeto, que teve apoio do governo brasileiro. Certamente o apoio e a presença do governo brasileiro foram um diferencial para nós. Tem sido e acho que vai permanecer sendo importante", disse Ricardo Saad, diretor de projetos da Vale para África, Ásia e Austrália, em entrevista realizada em abril deste ano.
 

16/11/2013

No Reino da Dinamarca

Em Copenhaga, Dinamarca, um motorista de autocarro, somali, de nome Mukhtar fez anos e vai trabalhar como em qualquer dia.

Ele está na empresa de autocarros há muito tempo e faz a mesma carreira todos os dias. É querido por todos pela sua atenção e especialmente pelo sorriso que carrega sempre       nos seus lábios. Eis o que lhe prepararam a companhia e os passageiros.


14/11/2013

Anúncio de veículos usados da Aston Martin



11/11/2013

Uma loira em Luanda

A loira chegou ao hotel e como estava muito calor, abriu a janela.
Mas, começaram a entrar vários mosquitos.

Então, ela ligou para a receção e reclamou:

- Boa noite, estou com muito calor e com a janela aberta vários mosquitos entraram no meu quarto e estão-me a incomodar.

- Se a Senhora desligar as luzes do seu quarto, eles vão-se embora - disse-lhe o rececionista

Ela fez o que ele disse e realmente eles foram embora.
Depois de um tempo, começaram a entrar vários pirilampos e, então ela voltou a ligar para a receção a reclamar.

E o rececionista perguntou:

- Mas o que foi agora?

Ela responde:
- Não resolveu nada! Os mosquitos voltaram com lanternas!


10/11/2013

Cidade de Maputo

No dia da cidade de Maputo:

05/11/2013

Voo do cuco

À socapa e ao mesmo tempo que nega dinheiro para pagar decententemente aos médicos moçambicanos, o cuco presidencial torrou mais de 12 milhões de dólares americanos na compra de um avião de luxo para as deslocações presidenciais, da "primeira dama" e filhas.

É preciso muita falta de vergonha.

Eis o famoso Hawker 850XP do senhor Guebuza:

03/11/2013

Internet Banda Larga


02/11/2013

Guebuza, você está fora de controlo...

Senhor Presidente, você está fora de controlo. Depois de ter gasto um mandato inteiro a inventar insultos para quem quer que seja que tenha ideias sobre os problemas nacionais, em vez de criar oportunidades para beneficiar da experiência e conhecimentos dessas pessoas, agora você acusou os media de serem culpados da crise política... nacional e mandou atacar as sedes políticas da RENAMO.

A crise político-militar que se está a instalar a grande velocidade faz lembrar as antecâmaras do fascismo. Em situações semelhantes, Hitler e Mussolini, Salazar e Franco, Pinochet e outros ditadores militares latino-americanos, Mobutu e outros ditadores africanos, foram instalados no poder, defendidos pelo grande capital enquanto serviam os interesses desse grande capital, e no fim caíram.

Será que você, senhor Presidente, se prepara para a fascização completa do País? Destruir a RENAMO, militarmente, é um pretexto. Fazer renascer a guerra é um pretexto. Parte do problema dos raptos - não todo - e do crime e caos urbano é um pretexto. Permitir a penetração da Al Quaeda em Moçambique é um pretexto. Pretexto para quê? Para suspender a Constituição e aniquilar todas as formas de oposição, atirando depois as culpas para os raptores e outros criminosos e terroristas, ou para aniquilá-los em nome da luta pela estabilidade.

Senhor Presidente, você pode estar a querer fascizar o País, mas não se esqueça que a sua imagem e a do seu partido estão muito descredibilizadas - por causa de si e do seu exército de lambe botas. E essa credibilidade não se recupera com palavras e com mortos. Só se pode recuperar com a paz e a justiça social. O que prefere, tornar-se num fascista desprezível e, a longo prazo, vencido? Ou um cidadão consciente e responsável que defendeu e manteve a paz e segurança dos cidadãos, evitando a guerra e combatendo o crime?

Senhor Presidente, você tem que ser parte da solução porque você é uma grande causa do problema. Ao longo de dois mandatos, quem se rodeou de lambe botas que lhe mentem todos os dias, inventam relatórios falsos e o assessoram com premissas falsas? Quem deu botas a lamber e se satisfez com isso, com as lambidelas? Quem se isolou dos que realmente o queriam ajudar por quererem ajudar Moçambique e os moçambicanos, sem pretenderem usufruir de benefícios pessoais? Quem preferiu criar uma equipa de assessores estrangeiros ligados ao grande capital multinacional em vez de ouvir as vozes nacionais ligadas aos que trabalham honestamente? Quem insultou, e continua a insultar, os cidadãos que apontam problemas e soluções porque querem uma vida melhor para todos (mesmo podendo estar errados, honestamente lutam por uma vida melhor para todos)?

Quem acusa os pobres de serem preguiçosos e de não quererem deixar de ser pobres? Quem no princípio e fim dos discursos fala do maravilhoso povo, mas enche o meio com insultos e desprezo por esse mesmo povo?

Quem escolheu o caminho da guerra e a está a alimentar, mesmo contra a vontade do povo maravilhoso? Quem diz que a guerra, e o desastre humanitário a ela associado, é um teste à verdadeira vontade de paz do povo maravilhoso? Por outras palavras, quem faz testes políticos com a vida do povo maravilhoso? Quem deixa andar o crime, a violência e a pobreza, quem deixa andar a corrupção, o compadrio e as associações criminosas? Quem nomeia, ou aceita a nomeação, de um criminoso condenado a prisão maior para comandante de uma das principais forças policiais no centro do país?

Quem se apropria de toda a riqueza e ao povo maravilhoso oferece discursos e desse maravilhoso povo quer retirar (ou gerir, como o senhor diz) qualquer expetativa? Quem só se preocupa com os recursos que estão em baixo do solo, mandando passear as pessoas,os problemas e as opções de vida construídas em cima desse solo? Quem privatiza os benefícios económicos e financeiros dos grandes projetos e depois mente dizendo que ainda não existem?

Quem se defende nos media internacionais dizendo que passou todos os seus negócios para os familiares enquanto é presidente - e quem é suficientemente idiota para aceitar isto como argumento e como defesa?

Quem divide moçambicanos em termos raciais e étnicos, regionais e tribais, religiosos e políticos - já agora, o que são moçambicanos de gema? Serão os autómatos despersonalizados e ambiciosos que nascem das gemas dos seus patos? O que são moçambicanos de origem asiática, europeia ou africana - são moçambicanos ou não são?

Quem ficou tão descontrolado que hoje acusa os media de serem criadores do clima que se vive no país - foram os media que se apropriaram das terras, iniciaram uma guerra, deixam andar o crime urbano e foram pedir conselhos ao Zé Du? Que tipo de media você quer? Um «jornal notícias» que não tem uma referência destacada a três grandes manifestações populares pela paz e segurança e justiça social que aconteceram ontem no nosso país, embora tenha uma notícia sobre manifestações contra violações no Quénia? Porque é que as manifestações dos outros são verdade e as nossas mentira?

E, já agora, senhor Presidente, pode esclarecer-nos quem matou Samora?

Senhor Presidente, você não merece representar a pérola do Índico nem liderar o seu povo maravilhoso. E desmerece-o mais cada dia. Você foi um combatente da luta de libertação nacional e um poeta do combate libertador, mas hoje não posso ter a certeza que liberdade e justiça tenham sido seus objetivos nessa luta heróica.

O povo maravilhoso, ontem, prestou homenagem a Moçambique, a Mondlane e Samora, aos valores mais profundos da moçambicanidade cidadã e da cidadania moçambicana. Foi bonito ver as pessoas a manifestarem-se por causas justas comuns, a partilharem a água e as bolachas, a abraçarem-se e distribuírem sorrisos, a apanharem o lixo que uma tão grande multidão não poderia deixar de criar. Foi bonito ver quão bonitos e cívicos Moçambique e os moçambicanos, na sua variedade, são. Foi bonito ver os cidadãos aplaudirem a polícia honesta e abraçarem os seus carros, e os polícias absterem-se de atacar os cidadão. Foi bonito ver que conseguimos juntar uma multidão consciente, cívica e honesta, que o seu porta voz partidário, Damião José, foi incapaz de desmobilizar. Foi bonito ver a bandeira e o hino nacionais a cobrirem todos os moçambicanos, moçambicanos que são só moçambicanos e nada mais.

E no seu civismo e afirmação da cidadania moçambicana, esta multidão para si só tinha três palavras: "fora, fora, fora". Tenha dignidade e, pelo menos uma vez na vida, respeite os desejos do povo. Reúna os seus patos e saia, saia enquanto ainda há portas abertas para sair e tempo para caminhar. Não tente lutar até ao fim. Isso só vai trazer tragédia, mortes e sofrimento para todos e, no fim, inevitavelmente, você e todos os outros belicistas, criminosos e aspirantes a fascistas, sejam de que partido forem, serão atirados para o caixote do lixo da história. Saia enquanto é tempo, e faça-o com dignidade. Ninguém se esquecerá do que você fez - de bem e de mal - mas perdoá-lo-emos pelo mal por, pelo menos no fim, ter evitado uma tragédia social e saído com dignidade.

Que, pelo menos, o seu último acto seja digno e merecedor deste povo maravilhoso. E, enquanto se prepara para sair, por favor devolva ao país e ao Estado a riqueza de que você, a sua família e o seu grupo de vassalos e parceiros multinacionais se apropriaram. Leve os seus patos mas deixe o resto. E, por favor, use as presidências abertas, pela última vez, mas para se despedir, pedir desculpas e devolver a riqueza roubada.

Saia, senhor Presidente, enquanto ainda é suficientemente Presidente para sair pelas suas próprias pernas.

Você sabe, de certeza, o que quer dizer "A Luta Continua!" Então, saia.

E não perca tempo a abater ou mandar abater ou encorajar a abater ou deixar abater alvos seleccionados, sejam eles quem forem. O sangue de cada um desses alvos só vai engrossar ainda mais o rio em cheia que o atirará a si, e seus discípulos, como carga impura, para as margens do rio poderoso fertilizadas pela luta popular. O povo não morre, e é o povo, não um alvo seleccionado, seja quem for, quem faz a revolução. Não se esqueça que a fúria do rio em cheia é proporcional à água que nele flui e à pressão que sobre ele exercem as margens opressoras.

Senhor Presidente, não tente fascizar Moçambique. Se o fizer, pode levar tempo, podem muitas vidas ser encurtadas pelas suas forças repressivas de elite, mas se seguir este caminho, você sairá derrotado. A história não perdoa.

Adeus, senhor Presidente, vá descansar na sua quinta com a sua família e dê à paz e à justiça social uma oportunidade nesta pérola do Índico e em benefício do seu maravilhoso povo. Por favor.

Não lhe queremos mal. Mas, acima de tudo, queremos a paz e que os benefícios do trabalho fluam para todos.

 
Maputo, 01.11.2013
Professor Associado da Faculdade de Economia da Universidade Eduardo Mondlane, UEM
 
 

 

01/11/2013

Falecimento

Nota de Falecimento

Faleceu na tarde de ontem, o Tribunal Constitucional de Portugal.
O desenlace deu-se em razão da falência desse último orgão legal que ainda resistia aos ataques de uma infeção generalizada provocada pela bactéria corruptus mas que capitulou perante novas colónias.

Pede-se aos portugueses indignados que compareçam ao velório vestidos de roupas e nariz de palhaço. O funeral será feito nos Jardins de São Bento, em Lisboa, onde jazem os restos mortais do Executivo e do Legislativo, também acometidos pela mesma moléstia.

São convidados os portugueses honestos para a missa de 7º Dia, ocasião em que serão feitas orações às forças divinas para que salvem as futuras gerações dessa maldita bactéria, implantada há séculos no país e intensamente disseminada nos últimos 40 anos.

Roga-se às pessoas probas da nação a se apresentarem para cuidar do espólio que, por ora, se encontra nas mãos de gente da mais baixa estirpe.

Está decretado o luto oficialem todo o território nacional, por tempo indeterminado, enquanto não for encontrado um antibiótico capaz de matar a bactéria e debelar a doença da impunidade que está a acabar com a esperança dos portugueses num país mais justo.

(adptado da versão brasileira de Ludinei Picelli)

30/10/2013

Europa

 

29/10/2013

NSA e a espionagem norte-americana

Como foi descoberta a espionagem da agência NSA americana ?
Este foi o momento decisivo!

25/10/2013

Os ratos

Eles chegaram pobres do exílio e do norte.
 
Começaram por roer o cofre, a fortuna que os colonos portugueses deixaram. Roeram aquilo a que chamavam lojas do povo, roeram as peixarias do povo, os supermercados do povo.
 
Os ratos roeram tudo.

Roeram as cooperativas de consumo, as barbearias do povo. Roeram as antigas empresas estatizadas. Roeram as fábricas de calçados nacionais, roeram as fábricas de bebida ou refrigerantes nacionais.

Roeram às moageiras. Roeram as padarias do povo.

Os ratos nacionais de colarinho e luvas brancas roeram as lojas interfrancas, roeram o grosso do património nacional que diziam ser do povo.

Roeram o grosso do parque industrial intervencionado pelo Estado, depois da independência.

Roeram o que de melhor havia: fábricas de curtumes, as empresas avícolas.
Roeram empresas ferro-portuárias.

Os ratos nacionais vestidos de cordeiros não têm dó nem piedade.

Roeram o país até ao osso, mostram a nossa face de ruína, em 1996.

Como se não bastasse, apresentaram a fatura de seis mil milhões de dólares, não de lucro em favor do Estado, mas de dívida externa, metade da qual a favor da dívida aos países do ocidente e instituições financeiras (FMI e Banco Mundial), outra metade à antiga União Soviética, pela obra da guerra civil que nos ofereceram.

Os ratos afogaram o país na pobreza e dizem que os cidadãos lhes devem pela empreitada com que nos roem e ao país. Mas os mesmos ratos que roeram e roem tudo não pararam com a odisseia, com as suas investidas, roeram a banca (BCM e Banco Austral), não para pagar a dívida externa, mas para acrescerem o lucro e a riqueza, pois se julgam eleitos e legíveis para roeram tudo que se lhes depara à frente, pela participação na luta anticolonial.

Mas os ratos não se satisfazendo nunca, com a gula que lhes precipita, vão buscar o dinheiro às algumas empresas estatais convertidas em públicas.

Os nossos gloriosos ratos nacionais o que têm é o apetite. Têm estômagos e bolsos sem fundos. Roeram as indústrias têxteis e de malha. Roeram as fábricas de confecções de vestuários.

Roeram as fábricas de lacticínios, onde se produzia o presunto e o queijo.
Roeram as empresas que produziam o chá, roeram as sociedades produtoras de copra, margarina, roeram os palmares da Zambézia.

Os nossos ratos vestidos de fatos de heróis e apóstolos do combate à pobreza trouxeram a caricatura do que somos como país: cinquenta e quatro por centos dos vinte milhões de moçambicanos na pobreza. Do índice de pobreza de quinze por cento em 1980, os nossos ratos impulsionaram a utopia da revolução que nos levou à indigência.

Ainda assim os nossos ratos espalham a mentira de que hoje a nossa vida é melhor. Mesmo com o facto de estarmos entre os cinco países mais pobres do mundo, os ratos papagueiam que levamos uma vida melhor de todos os tempos.

Os nossos ratos roeram uma das mais prósperas companhias de aviação estatizadas, a TTA, na sua insaciez. Roeram as empresas algodoeiras e de condutores eléctricos. Tornaram-se patrões de tudo o que açambarcaram ao Estado, na sua conversa fiada de patriotismo e nacionalismo.

Roeram as antigas empresas estatizadas de transportes terrestres e o respetivo património, enquanto papagueavam o socialismo enquanto se autoproclamavam contra o capitalismo e a burguesia.

Roeram e roem tudo.
Roeram as empresas madeiras para fundarem as suas, roeram as empresas de caju para fazer de seus edifícios armazéns.

Roeram as empresas dos correios e telecomunicações.
Roeram as agências de despacho e navegação, para serem os patrões.
Roeram e roem o país, deixando-o totalmente derrído e quase sem ossos, quase sem pele de tanto ruído que está e ainda assim lhe vão até à medula. Expurgaram o país até ao pus.

Os roedores, na sua escalada depredadora, roeram tudo o que havia nos quartéis.
Roeram as armas que lá haviam. Venderam-nas e alugam-nas ao crime organizado com a sua conivência.

Os roedores extirparam as cápsulas e o mercúrio do material de guerra, para alimentarem o contrabando que governa a nossa economia. Para dissipar provas puseram os paióis de Maputo e Beira a arder.

Os ratos deixam as suas impressões digitais em tudo que roem e saqueiam do erário público depauperado e paupérrimo. Nas mortes que causam entre os filhos do povo, orgulham-se de serem guardiões do Estado e da paz.

Os ratos não dissimulam a sua inspiração revolucionária, progressista.
Os ratos, que se converteram hoje em endocolonialistas, os nossos colonos de pele escura como a nossa.

Agora que os ratos roeram tudo e o abscesso rebentou querem controlar o país, querem controlar o cheiro incontrolável que se espalhou por todos os cantos.

Os ratos instalaram-se em todas as instituições do Estado, pois não podem viver sem o saco azul do erário público. São os mesmos que na dualidade com que roem, estão empenhados em roer a lei da liberdade de imprensa.

Os nossos ratos acreditam que na eternidade. Os nossos ratos não acreditam na  efemeridade. Sofisticam a ciência da rataria que tecnicamente dominam.
Acumulam habilidades e podem exportar conhecimentos.

Os ratos que mataram Carlos Cardoso, Siba-siba Macuácua, juízes, procuradores, são os mesmos que roeram a justiça que não funciona, roem as leis que só funcionam para as suas vítimas. Os ratos agem como ovelhas ranhosas, na sua sede de vingança.

Os ratos estão na corrida renhida dos recursos minerais.
A profissão mesmo dos moçambicanos é esperar.
Portanto, quem pára a praga de ratos que roem o país?

por Adelino Timóteo in https://www.facebook.com/CanalMoz/posts/534967036572398




22/10/2013

Porto, o ninho da revolta

O Palácio da Bolsa, onde a revolta começou (homenagem aos heróicos portuenses que derrotaram o espertismo-menezismo e que hoje têm um novo Presidente da Câmara):


 

20/10/2013

Savana entrevista o camarada Jorge Rebelo

Entrevista de Jorge Rebelo ao jornal "SAVANA"

Visto por muitos como uma das últimas reservas morais do movimento de libertação, Jorge Rebelo diz em entrevista ao SAVANA que está dececionado com a Frelimo atual, mas reconhece que neste momento não vê alternativas.

Eterno admirador de Samora, Rebelo, um dos fundadores da Frelimo, onde foi o temido secretário do trabalho ideológico, afirma que se o proclamador da independência de Moçambique voltasse não ficaria contente com a situação que se vive no país.

Lamenta o facto de atualmente o país estar infestado de lambebotas, porque, segundo ele, as pessoas são escolhidas na base da sua capacidade de lamber as botas do chefe.

Numa conversa amena, onde a ideia era falar do legado de Samora (amanhã, sábado, passam 27 anos após a sua morte), Rebelo aceitou abordar o tema de sucessão na Frelimo e defende que não há necessidade de reuniões dos órgãos do partido (Comité Central e reunião nacional de Quadros) "porque hoje já há um pensamento comum".

O tema sobre as críticas dirigidas directamente a alguns colaboradores de Samora nalguma imprensa em que os apelida de "revolucionários da desgraça" foi incontornável.

Amanhã, (sábado 19 de Outubro), passam 27 anos após a morte de Samora Machel. O sr. Jorge Rebelo conviveu muitos anos com o presidente Samora. Que recordações guarda do homem que proclamou a independência de Moçambique?

Há alguns dias participei nas cerimónias do aniversário do nascimento do presidente Samora. Nesse encontro, alguns defendiam que Samora, se ressuscitasse, ficaria contente com aquilo que está a acontecer no país. Iria elogiar a direção atual.

Outros diziam que ficaria dececionado de tal forma que quisesse regressar de onde veio. Nesse encontro não me pronunciei. Se tivesse falado diria que amigos tenham calma, porque Samora já não está connosco e não é bom inventar coisas que iria dizer ou não dizer. Como a bíblia diz que não podemos evocar o nome de Deus em vão. Neste caso diria para não evocar o nome de Samora para obter ganhos políticos.

Portanto, não podemos dizer categoricamente como Samora iria reagir perante a situação atual.

O seu sonho está ou não a ser efetivado…

Na base daquilo que sei de Samora através do seu pensamento e atuação na luta armada de libertação, onde se forjou a ideologia da Frelimo e depois na independência, onde o novo Estado começou a ser construído, posso imaginar o seguinte: Samora chegaria e perguntaria como é que estão as coisas.

Se perguntasse a mim diria que está tudo bem camarada presidente, porque ultimamente o povo está a ser formatado para avaliar as coisas sempre pela positiva. É o que acontece hoje, avaliar as coisas positivamente é a palavra de ordem. Portanto, nunca diria que as coisas estão más.

Contudo, ele vai fazer-me várias perguntas como: Nós lutámos para libertar a terra e os homens. A terra está libertada? A terra pertence ao povo como era o nosso sonho?

Aí eu diria que sim. A Constituição ainda diz que a terra não pode ser vendida, pertence ao Estado.

Mas, se ele dissesse que lá onde estou vejo que muitos dirigentes apropriam-se da terra e vendem-na às grandes multinacionais e a população fica na miséria, sem meios para ganhar a sua vida. Você está a enganar-me. Eu aí ficaria engasgado.

Depois levantaria a questão da corrupção. De certeza que Samora diria que era implacável contra a corrupção, não admitia corruptos e ao mínimo sinal de corrupção tomava medidas enérgicas, por isso que no meu tempo não havia corrupção.

Samora definia a corrupção como utilização de cargos públicos e políticos para obter benefícios pessoais e para familiares. Aí ele me perguntaria se os dirigentes, filhos, sobrinhos, irmãos não estão a enriquecer e a maioria do povo cada vez mais na miséria. Perante os factos, não poderia negar e diria que sim estão a enriquecer e o povo a empobrecer.

Depois perguntaria se esses que ficam ricos ganham a riqueza através do seu trabalho ou se aproveitam dos seus cargos para enriquecer. Se ele insistisse quem é o dirigente que está a ficar cada vez mais rico com a sua família. Eu não iria mencionar os nomes, porque toda a gente sabe.

Samora diria mais. Por exemplo, podia dizer que as pessoas andam carregadas em carrinhas de caixa aberta sem qualquer comodidade nem protecção; o emprego não existe; a qualidade de ensino é baixa (hoje os alunos chegam à nona classe sem saber ler nem escrever); a saúde é um desastre, não há medicamentos, os médicos e todo o pessoal da saúde estão desmotivados.

Por fim, Samora diria que não estou contente pela situação que vive o meu povo.

Com isso podemos concluir que, na óptica de Jorge Rebelo, os sonhos e os desejos de Samora não estão a ser tidos em conta pela actual direcção da Frelimo?

Tudo dependente de como é que a pessoa se situa. Se está preocupado com o enriquecimento de um pequeno grupo, diria que o país está em franco desenvolvimento. Se se coloca de ponto da população em geral diria que este crescimento não é o desejado e não é aquilo que Samora defendia.

A minha conclusão é de que se Samora voltasse não ficaria contente com a situação que se vive no país. Na nossa sociedade, os casos de corrupção aumentam progressivamente.

Ela está a tomar conta de todos e há que inverter isso, porque pode nos levar ao abismo. Infelizmente, hoje não podemos dizer isso publicamente porque não encontramos abertura da parte da actual direção do país. Lembro-me de uma conversa com Samora, em que num tom de desabafo dizia que os camaradas que vieram connosco da luta armada estavam a ser apanhados pelo vírus de corrupção e nós tínhamos que tomar medidas para eliminar esse vírus.

E ele dizia que hoje os camaradas estão preocupados com dinheiro, comodidade e regalias que durante a luta de libertação nunca exigiam. Não tínhamos nenhuma preocupação em ficar ricos e lutávamos por um ideal que era a libertação do povo e melhoria das condições de vida de todos. Agora a situação é diferente.

O pensamento de Samora Machel para Moçambique teria estado à altura das profundas mudanças que o país conheceu nos últimos anos?

Há muitos aspectos, políticas e princípios que Samora defendia e que hoje não são aplicáveis. Por exemplo: na área da saúde, Samora dizia que o médico não pode ser um mercenário, não pode utilizar a doença como meio para enriquecer. O médico deve trabalhar só para o Estado e receber o seu salário como qualquer funcionário. Não se admitia clínicas privadas porque seria utilização da doença como meio para enriquecer.

Isso hoje não é viável. Já naquele tempo eu próprio já me interrogava porquê, por exemplo, alguém que estudou durante sete anos para tirar o curso de medicina e fica limitado ao salário que o Estado paga que normalmente é baixo. Se um engenheiro, um jurista e outras profissões não vinculadas exclusivamente ao Estado, podiam trabalhar onde quiserem e ganhar muito mais.

De certeza que muitos médicos iriam fugir da profissão.

Outro exemplo é da economia centralizada. O Estado é que dirigia todos os setores económicos. A experiência mostrou que isso não é benéfico para o país e não era viável. Nessa altura já era possível aferir que o homem é mais flexível e criativo quando motivado pelo lucro e numa economia centralizada a pessoa sabia que se esforçando como não teria o seu salário.

Samora morreu num período de partido único e de uma economia centralizada. Como é que conviveria com a atual realidade, de maior abertura política e económica, pelo menos no plano formal?

Teria que se adaptar porque as sociedades avançam. De certeza que não ficaria tranquilo, mas teria consciência de que aquele modelo de socialismo que nós adoptámos não estava a dar resultados. Claro que há outros factores que contribuíram para isso, porque os países imperialistas entraram em pânico quando Moçambique e Angola se proclamaram países socialistas. Isso era um germe aqui na zona porque poderia influenciar países à volta. Então atacaram-nos e isso contribuiu muito para que o projecto socialista de Samora e de muitos de nós não avançasse.

"Direcção da Frelimo esconde os reais ideais de Samora"

Uma das coisas que marcaram o mandato de Guebuza foi a imortalização da figura de Samora. Foram construídas estátuas em todo o lado, homenagens e discursos benevolentes. Contudo, de outro lado os males que Samora combatia aumentaram. Falo da corrupção e pilhagens dos recursos nacionais. Será que a figura de Samora está mesmo a ser valorizada?

As estátuas são uma coisa boa porque quando as pessoas passam pelas ruas ou praças onde estão erguidas lembram-se de Samora. Mas o mal é que ficamos por aí. Se falamos do legado de Samora apenas dissemos que foi um grande líder, foi o primeiro presidente de Moçambique independente. Não entramos no seu pensamento. Parece que a atual direção da Frelimo e do país não está interessada no pensamento de Samora. Ela esconde o seu pensamento.

Nos seus discursos esquece que Samora era uma figura sensível à corrupção, ao sofrimento do povo, à expropriação dos bens do povo para satisfazer apetites e ganância de um pequeno grupo de dirigentes.

Como é que Samora Machel encararia o facto de sectores importantes da soberania económica de Moçambique, nomeadamente os recursos naturais, estarem hoje nas mãos do capital estrangeiro?

Se ele viesse só para visitar ficaria dececionado. Se ele viesse para impor ordem diria que vamos acabar com estas coisas, mas não no sentido de impedir a exploração desses recursos. Os recursos existem, são nossos e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento do país. Agora, o que ele diria é que temos que dirigir esse processo de tal maneira que o povo inteiro não sofra e uma pequena minoria beneficie.

"Falta vontade política na investigação da morte de Samora"

Como é que reage a um aparente esmorecimento do processo de investigação da morte de Samora Machel, depois de alguma euforia suscitada pelo Presidente Armando Guebuza e Jacob Zuma?

Há duas maneiras de analisar a sua pergunta. Uma pela complexidade das investigações e outra na falta de vontade. Lembro-me do assassinato do primeiro-ministro da Suécia, Olof Palme, foi quase no mesmo período com o do presidente Samora, mas até hoje ainda não foi descoberto quem é que matou.

Portanto, talvez seja tão difícil. Porém, exprimindo o meu sentimento digo que estou desapontado com o nível das investigações. Gostaria que esse processo avançasse para se descobrir os verdadeiros autores do crime.

Sente alguma preocupação da parte dos Governos de Moçambique e da África do Sul em investigar o crime?

Não sinto. Se houvesse esforço de cada um dos lados seria divulgado, o que não está a acontecer. Haveria alguns resultados visíveis indicando que a investigação está a avançar neste ou naquele sentido, já se descobriu isto ou aquilo, mas não se fala. Isso é preocupante.

Acha que um dia Samora podia apertar a mão do líder da Renamo, Afonso Dhlakama?

Em nome dos princípios que defendia não iria prejudicar o povo. Se ele se convencesse de que esse era o único caminho para conseguir que o país estivesse em paz, ele ia fazer isso.

"O nosso chefe fomenta lambebotismo"

As críticas dirigidas directamente a colaboradores de Samora nalguma imprensa não configuram comportamentos racistas que ele tão veemente denunciou e repreendeu?

Samora foi uma pessoa que sempre combateu o racismo, regionalismo e o tribalismo. Ele dizia que esses são os nossos piores inimigos porque impedem-nos de assumir a grandeza do nosso país, não permitem compreender a complexidade da nossa pátria e sobretudo dispersam as nossas forças.

Não lutámos por uma raça, uma religião, uma tribo. Lutámos pela mesma nação, pelo ideal único e pela libertação da nossa terra e do nosso povo. São esses pensamentos que a direção atual da Frelimo esconde. Quando a actual direcção fala de Samora só se limita a dizer que era um grande líder, mas aquilo que ele defendia não fala, esconde.

Quando o mais alto dirigente do país diz que temos que distinguir quem é moçambicano genuíno e não genuíno, a quem se refere e qual é que é o seu objetivo? O que ele pretende?

Eu levantei essa questão no congresso de Pemba. Dirigi-me ao presidente e disse: camarada presidente, o que são moçambicanos genuínos e não genuínos? Disse ao camarada presidente, olha para os membros da Comissão Política, veja o camarada Manuel Tomé. Olha para minha pele e olha para a pele dele, eu vejo que ele é mais claro do que eu. Olha para Graça Machel, ela é mais clara do que eu, então eles não são moçambicanos genuínos? Não me respondeu.

Com isso sente que há focos de racismo no seio da Frelimo?

Não disse isso. Citei apenas o que o dirigente máximo do partido e do país disse e o que eu lhe perguntei. Só esse chefe que disse isso pode responder a questão.

Há quem diga que Jorge Rebelo e outros moçambicanos da raça não negra eram muito "mimados" por Samora Machel. Após a sua morte, essa classe ficou órfã e hoje não vê coisas boas. É um grupo de saudosistas. Concorda com isso?

Há um aspeto que devemos ter em conta que é dos bajuladores e dos lambebotas. Hoje, o país, infelizmente, está infestado desse tipo de gente. O aparelho estatal está infestado por esse tipo de gente porque as pessoas são escolhidas na base da sua capacidade de lamber as botas do chefe. Todos nós assistimos isso. Basta abrir alguns jornais. Mas esses que escrevem são encomendados.

Recebem instruções para defenderem algumas ideias nas linhas e orientação e aceitam.

Mas os bajuladores estão a empurrar o país para o abismo. Pelo que, apelo a essas pessoas para que deixem de serem bajuladores e guiem-se pelo seu pensamento natural porque isso retira-lhes a sua dignidade. Já imaginou o que o termo lambebotas significa. Estar sempre a bajular retira ao indivíduo alguma dignidade e retira a visão do chefe porque fica sem saber o que é bom e o que é mal porque eles continuarão a dizer que tudo está bom para manter as mordomias.

Mas, por outro lado, a culpa é do próprio chefe porque ele é que alimenta esses bajuladores. Escolhe aquele tipo de gente para serem seus conselheiros. Portanto, no fim ao cabo tudo desemboca no chefe porque ele escolhe aqueles que lhe agradam e dizem sempre coisas boas. Normalmente, esse tipo de chefes não gostam que alguém diga que camarada presidente aqui estamos a errar.

O atual dirigente não aceita críticas. Uma das virtudes de Samora é que aceitava críticas. Lembro-me de um episódio. Houve uma altura em que Samora andava meio frustrado porque ele não encontrava nos seus colaboradores respostas para os problemas e passou a tomar decisões sozinho e nós colaboradores diretos sentíamos isso.

Um dia, num encontro restrito, ele disse que não sabia o que estava a acontecer connosco, dizia que não éramos os mesmos. Eu atrevi-me e disse: o problema é que agora o camarada presidente comporta-se como um ditador e fiquei à espera da reação. Fiquei com medo, porque ele podia dizer que isso é uma ofensa ao mais alto magistrado da nação portanto, prendam-no.

Samora não reagiu, não me mandou prender e o que eu notei foi que a partir daí ele chamava-me constantemente para conversarmos. Em vez de me perseguir, marginalizar-me, ele mostrou que gostava de pessoas que lhe diziam as coisas frontalmente e isso é uma indicação da grandeza de um chefe.

Há quem diga que nos últimos dias, há tendência, através da Comunicação Social, de reduzir os progressos de Moçambique, numa única figura, enquanto que na realidade, o desenvolvimento de Moçambique é resultante do trabalho de todos os moçambicanos cada um à sua maneira. Qual é a sua opinião acerca disso?

É uma coisa que me deixa preocupado. Esta tendência de tentar endeuzar o chefe. Esses bajuladores dizem que o chefe é que faz tudo. Todos os dias aparecem artigos na imprensa a falar das realizações de sua excelência. Tudo aquilo que está a acontecer é obra do chefe. Foi o chefe que fez isto e aquilo. Isso cria um mal estar nos cidadãos. Na nossa altura era completamente diferente. Os sucessos eram de todos. Os sucessos do chefe deviam-se aos seus colaboradores e isso estimulava-nos. Quando fazíamos uma coisa certa, éramos elogiados, quando fazíamos uma coisa errada, éramos reprimidos, mas nunca se apresentou como o único que faz coisas.

De certeza que Samora também podia dizer que fui eu que libertei o país, fui eu que corri com os colonos, mas não. Mandela podia dizer que eu sofri na cadeia pelo povo sul-africano, agora quero ficar rico. São atitudes dessas que elevam um líder e não endeuzamentos.

Se estivesse próximo do presidente Guebuza, que conselhos daria?

Não sou conselheiro e nada posso comentar.

Acha que o projeto de justiça social ainda está presente na Frelimo, tendo em conta as gritantes assimetrias económicas vigentes no país?

Não. A Frelimo de hoje tem características muito diferentes da Frelimo do tempo de Mondlane e Samora.

Hoje, no papel falamos de justiça social, igualdade, mas na prática o que está a acontecer é que os pobres estão ficar mais pobres e a minoria rica está a ficar cada vez mais rica.

Marcelino dos Santos disse numa das suas intervenções, no ano passado, que esta Frelimo não respondia aos ideias da sua criação pelo que não sabia se votaria nela em 2014. Qual é o posicionamento de Jorge Rebelo?

Estou dececionado com a Frelimo atual, mas neste momento não vejo alternativas. Portanto, votar pela queda da Frelimo sem essa alternativa significa condenar o país ao caos.

Neste momento, apesar de todos os defeitos que tem a Frelimo atual, ainda é o único partido que pode garantir o mínimo de estabilidade e o desenvolvimento embora esse desenvolvimento beneficie apenas uma pequena camada. Não estou a ver a Renamo como alternativa. O MDM ainda está na fase embrionária e não pode aparecer a dirigir o país. Não conheço os princípios ideológicos do MDM, mas de qualquer forma tem que se afirmar.

Como é que olha o facto de a Frelimo não ter ainda eleito o candidato para as próximas eleições presidenciais, uma vez que nos processos anteriores tinha candidato com maior antecedência?

Isto é uma preocupação de muitos de nós, porque quando foi do tempo do presidente Guebuza, ele começou a campanha dois anos antes porque tinha que se fazer conhecer nas bases. Não é em três meses ou seis meses que um candidato pode percorrer o país todo e dizer eu sou candidato e votem em mim. O pais é grande. Por isso que não compreendo como é que há este atraso na indicação do sucessor do presidente Guebuza. A demora não é benéfica para a Frelimo, porque como disse antes, o presidente Guebuza teve dois anos para fazer campanha e isso ajudou que ganhasse as eleições.

Não compreendo a razão dessa demora e não creio que haja alguém que compreenda porque já é tempo. Talvez os chefes saibam.

Qual é que seria o candidato ideal da Frelimo para as eleições de 2014?

Não tenho perfil do candidato da Frelimo. Olhando à minha volta não vejo o candidato.

Uma das coisas que sempre caracterizaram o partido Frelimo é que sempre reuniu os seus órgãos centrais duas a três vezes por ano. Estranhamente esse hábito não se está a repetir este ano. Desde que a Frelimo saiu do congresso só se reuniu vez uma em sede de Comité Central. O que isso significa?

Podíamos dizer que não há necessidade de reuniões dos órgãos do partido (Comité Central e reunião nacional de Quadros) porque hoje já há um pensamento comum.

Todos pensam da mesma maneira. Para quê fazer reuniões de quadros, gastar-se dinheiro e tempo enquanto pensa-se da mesma maneira e já se sabe o que pensam.

Não vale a pena continuar com essas reuniões porque já sabemos o que se vai decidir. Todos têm o mesmo caminho a seguir.

Se a Frelimo é um partido apologista de diversidade de ideias porque é assim que cresce. É através da crítica e autocrítica que se constrói um partido forte.

Esqueça, essas coisas de críticas, auto-criticas é uma coisa do passado. A Frelimo de hoje não aceita a crítica e muito menos fazer auto-crítica.






Otário uni-vos !

Depois de endividar e arruinar Portugal, depois de todas as cretinices feitas (quem não se recorda ?), depois de robalos e sucatas, só faltava mesmo não ter nenhuma vergonha na cara para ser capa de uma publicação ordinária.

Está tudo às Claras! O monstro está de volta...

Não se poderá despachar a encomenda por TGV ou pelo Aeroporto da Ota, para a Sibéria ou a Coreia do Norte?




IKEA Ideias e promoções

Sugestão para comer no local de trabalho (incentivo no Orçamento de Estado de 2014):
 
 
 
 

19/10/2013

Mural do povo em Maputo

No comments, está tudo escrito, FRELAMO!

17/10/2013

As cuecas da mãezinha

Dois alentejanos passeiam numa rua daqui de Cuba (a verdadeira), quando reparam numa jovem mais que boa que caminha em direção a eles.

Diz um ao outro:
- Veja só, compadre! Essa magana traz vestidas as cuecas da sua mãe!
- Nã me lixe, compadri, que isso nã é possível, que ela nem sequer conhece a MINHA mãe!
- Claro que sim... aposto 100 euros que traz vestidas as cuecas da sua mãe!

Pergunte-lhe e logo verá...
- Desculpe, menina... De quem são as cuecas que traz vestidas?
- Da puta que o pariu !!!....
- Eu nã lhe disse compadri....

16/10/2013

Novas secretárias

Medida incluída no Orçamento de Estado para 2014, para funcionários públicos:
 

12/10/2013

Lavar a história

Fui ontem ver o Mordomo ao cinema.

Fui pela música do Rodrigo Leão, mas também porque a luta pelos direitos civis dos negros me interessa (até pelo seu paralelo com as atuais lutas pelos direitos civis dos homossexuais).

Talvez porque hoje em dia Hollywood seja Democrata, parece que simplesmente se recusam a aceitar a História.

Sobre as lutas relativas aos direito civis, assisti a um tremendo branqueamento das culpas Democratas.*

A verdade é que nos anos 50 e 60, os campeões das lutas pelos direitos civis eram Republicanos e não Democratas. Ao longo de todo o filme, assiste-se a uma grosseira manipulação.

A história do mordomo na Casa Branca começa com Eisenhower a ordenar que tropas federais protejam um negro que pretende frequentar uma universidade segregacionista. O presidente enviou tropas para Little Rock, Arkansas, porque o governador deste Estado deu ordens à polícia estadual para não deixar entrar o negro em causa.

Como se sabe, Eisenhower era Republicano. O que não se disse no filme foi que o governador do Arkansas era Democrata. Mais grave ainda, esta atitude de um governador Democrata era comum.

Em Alabama, em 1963, passou-se outro caso semelhante também com um governador Democrata.

Em 1957, quando Eisenhower tentou aprovar o que ficou conhecido como o 1957 Civil Rights Act foi obrigado a moderar bastante os objetivos do texto inicial por causa da forte oposição liderada por Lyndon B. Johnson, que, na década seguinte, seria presidente Democrata.

Mesmo uma versão bastante mitigada do texto original contaria com o voto contra de dúzia e meia de senadores, todos eles democratas… Vale a pena ler esta carta de Republicano Val J. Washington dirigida a LBJ. No filme, Lyndon B. Johnson é glorificado como um campeão da luta negra. O seu Civil Rights Act é apresentado como um dos maiores avanços das lutas pelos direitos civis.

O que o filme se esquece de dizer é que o texto aprovado era, na sua essência, igual àquele que Eisenhower tinha proposto e a que Lyndon B. Johnson se tinha firmemente oposto em 1957.

Richard Nixon é tratado com bastante desprezo no filme, dando a entender que não passa de um mero racista que quer o voto dos negros. Referir que, ainda no senado, ele se tinha batido pelos direitos dos negros… nem pensar, estragaria o enredo.

Havia algo que eu esperava também ver retratado, que foi o papel das armas nos movimentos de libertação dos negros. Na verdade, quando os negros tinham de enfrentar o Ku Klux Klan (quase exclusivamente composto por Democratas) estavam duplamente desprotegidos. Estavam desprotegidos pela polícia e estavam desprotegidos porque o direito constitucional a ter arma lhes era negado.

O próprio Martin Luther King, depois de um ataque a sua casa em meados dos anos 50, viu ser-lhe negado uma licença de porte de arma. Foi no fim dessa década, graças à pressão da National Riffle Association, que os negros passaram a ter o direito a usar armas. E foi nessa altura também que os homens dos capuchos brancos do KKK aprenderam que enfrentar negros armados era bem mais complicado. Até porque aqueles capuchos brancos eram alvos fáceis à noite. O declínio do KKK começou aí.

Enfim, o filme até conseguiu que Ronald Reagan passasse por racista. Na verdade, de acordo com o filme, Ronald Reagan é o primeiro presidente a ordenar que os empregados negros da Casa Branca recebam um ordenado igual ao dos brancos (que até aí era pouco mais de metade). É também o primeiro presidente a convidar a personagem principal para um banquete na Casa Branca.

Mas, claro, o filme não poderia dar tais créditos a um Republicano. Logo a seguir, com a demissão do mordomo, é-nos dito que nada era sincero. Era tudo oportunismo. Mas, mais uma vez, a verdade é diferente. A própria personagem real (aquela em que se baseia a personagem do filme) já o disse em diversas entrevistas. Não me entendam mal. Sigo a política americana desde 1992. E, se votasse, teria votado sempre Democrata. Também considero execrável o lobby da NRA contra um efectivo controlo de armas. Mas história é história e os Democratas não são campeões desta história.

A história do Partido Democrata na luta pelos direitos dos negros é recente, começou com o Civil Rights Act de Johnson, em 1964, e culminou com a eleição de Obama.

Mas não esqueçamos que o Partido Republicano nasceu em meados do século XIX para combater a escravatura então defendida pelo Partido Democrata.

* Sempre que usar a maiúscula para Democratas e Republicanos refiro-me a membros ou apoiantes do Partido Democrata e do Partido Republicano.

in "A Destreza das Dúvidas", por Luís Aguiar-Conraria

 

06/10/2013

Mudanças climáticas

A maior ameaça que resulta das mudanças climáticas são o desaparecimento das florestas.

Uma antevisão do que pode ser a deflorestação:


05/10/2013

E partiu ...

Uma vida intensa, cheia de trabalho e de entusiasmo, sempre para os outros.

Nasceu naquela Serra, estudou na Cidade dos Doutores, viveu em cidades da Europa e de África. Sempre, mas sempre a trabalhar para o bem dos outros.

Onde vivia ou trabalhava, tudo era tocado e mobilizado à sua volta. De tudo fazia uma festa.
Das hortenses, das papoilas, das glicínias, das buganvílias, dos hibiscos, de todas as flores fazia Arte.

E, finalmente, em paz, partiu...

Uma Amiga!


04/10/2013

O Porto está lindo!

Ponte D. Luís, rio Douro, vista do cais da Ribeira no Porto:


 

03/10/2013

Juntos

A Guerra Fria morreu e o fim da ocupação soviética: o Dia da Unificação da Alemanha.